Ir direto para menu de acessibilidade.
Brasil – Governo Federal | Acesso à informação
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Professores do IFPA Participam do Seminário Nacional de Segurança Pública

  • Publicado: Quarta, 27 de Novembro de 2019, 09h59
  • Última atualização em Quarta, 27 de Novembro de 2019, 10h05
  • Acessos: 142

Nos dias 19 e 20 de novembro de 2019, os professores Tatiana Pará, do campus Castanhal,  Lair Meneses, Mariluzio Moreira, Denis Costa e José Filho, do campus Ananindeua, participaram do Seminário Nacional de Segurança Pública, em Brasília, promovido pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP-MJ) em parceria com a Escola Nacional de Administração Pública (ENAP).

O IFPA participa como colaborador do projeto "EM FRENTE BRASIL" em que através de um convênio assinado entre o Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (CONIF) e a SENASP foi destinado ao IFPA desenvolver o Diagnóstico Socioterritorial de Segurança (DSS) para o Município de Ananindeua-PA, uma das cidades selecionadas no projeto Piloto.

O Coordenador do Projeto de Pesquisa que desenvolve o DSS, Profº Lair Meneses, relata que “Está sendo uma experiência fantástica participar de um projeto que visa fomentar políticas públicas para melhorar as condições de vida da população de Ananindeua”.

A professora Tatiana Pará, responsável pela equipe de Mapeamento e uso de geotecnologias conta que se faz necessário mapear os equipamentos urbanos e geocodificar o endereços dos crimes para que seja feita uma análise minuciosa do espaço em que ocorre tais eventos, assim , através de Mapas é possível apontar locais exatos que permitem a tomada de decisão e ações estratégicas pela força operacional do estado.

“Ao todo foram seis professores e trinta alunos dos campi de Belém, Ananindeua e Castanhal que desenvolveram atividades que resultaram em um documento que apresenta uma diagnose do Município de Ananindeua em vários aspectos tais como: educação, saúde, Infraestrutura, Repressão qualificada entre outros”, finaliza o Prof Lair.

registrado em:
Fim do conteúdo da página
-->